21 de maio de 2017

Conta-te poesia

Navegava lentamente à sombra
Rumo ao seu destino desconhecido
Contra ondas e tempestades
Contra ventos e atrocidades

Seguia firme na maré
Sem conhecer o seu fim
Apenas concentrado na sua fé

Rumo ao horizonte, navegava de pé
Em busca do sol tão esperado,
O pôr do sol tão rosado
Para muitos o fim do dia
Para ele o índio da vida


Marisa

3 comentários: