7 de março de 2017

Não me orgulho disto

Estava cansada. Um quê de frustrada. Queria apenas água e alguma coisa em embalagens pequenas para levar para lanches nos intervalos. Decidi ir às compras rapidamente, antes de ir para casa, tomar um banho e enfiar o pijama antes das seis da tarde. Lá fui eu, agarrei numas garrafas de àgua, num pacote de massas e numa caixa de Oreos. Precisa-se de coisas doces para aguentar às aulas. Ou a vida no geral. É mais a última opção, isto porque me lembrei que não tinha nem um chocolate em casa. Fui à parte dos chocolates e parei uns instantes a pensar no que havia de escolher. A escolha de chocolates é algo difícil e complexa, apenas porque não posso trazer todos. Decidi-me por um Milka de Oreo. Sim, Oreo é um dos meus guilty pleasures e não, não me pagam para isso, mas já agora se alguém quiser patrocinar-me com este produto, sinta-se à vontade. Peguei na tabele e pu-la no cesto, pronta para ir pagar. Mas na vida há sempre um mas...
E eu sou fraca. Confesso. Custo-me brincar que a grande diferença entre mim e Jesus (o da Bíblia, não o outro) é que eu não consigo resistir à tentação. E o cansaço e a frustração não ajudam. Em vez de um Milka de Oreo, trouxe dois! DOIS! Eu nunca compra dois chocolates que custem mais de 1€! Nem acredito no que fui fazer. E o pior vem depois, quando já estava em casa, de banho tomado e pijama vestido antes das 18 horas. Agarro num dos Milkas e tiro um bocadinho, depois outro e depois outro. Quando dou por isso já tinha ido metade. Agora, depois de jantar a horas indecentes, que só acabei de jantar há uns 15 minutos. Não me consegui controlar. Estou sozinha, continuo cansada e frustrada, estive a ler dois textos que precisava e não encontrei sentido nenhum naquilo, odeio coisas em que não vejo sentido. O Milka de Oreo estava lá. A porta onde o guardei olhava para mim e dizia "Tenho o que precisas. Vem até mim e encontra a satisfação". Não resisti e acabo de comer a outra metade do chocolate.

Vou acabar com clichés porque este acto foi um dos maiores clichés da vida feminina. Sucumbir à gula no meio de uma crise de não sei o quê. A vida é dura. Ninguém é de ferro. Errar é humano. Labunzar-me com um Milka de Oreo é divino.


E com tantas vezes que disse o nome desta marca/produto, devia mesmo ganhar um mini patrocínio. Enfim, como se faz no meio, assim em letras pequenas, acrescento "Publicidade", mas não se esqueçam que eu não tenho lucro com, apenas fui gulosa e avarenta. 

Marisa 

6 comentários:

  1. Não tens que te sentir culpa... O que é de nós se não cometermos pequenos deslizes :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade. Os deslizes são como desvios para voltar ao caminho certo :)

      Eliminar
  2. Não vale a pena chorar sobre o leite derramado... ou, neste caso, sobre o chocolate comido :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vale a pena, que me soube muito bem. O pior foi a ligeira dor de barriga a seguir, mas passou ahah

      Eliminar
  3. Não te recrimino porque podias estar a descrever um qualquer fim de dia meu (sim, been there, done that).
    Hoje é um novo dia!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes é preciso, não é? Para no outro dia seguir em frente de sorriso no rosto ;)

      Eliminar