30 de março de 2017

29 de março de 2017

Livro | A Filha Do Capitão

A Filha do Capitão atraiu-me pelo nome e prendeu-me por todo o rumo do enredo. O livro de José Rodrigues dos Santos, faz refletir sobre os caminhos do destino, sobre como cada pormenor da vida influenciará o futuro. Mais do que perceber as dificuldades da guerra, percebe-se as dificuldades da vida durante a guerra, do que era amar, do que era sofrer. Será que as coisas mudam assim tanto em tempos de paz? As paixões proibidas serão sempre proibidas. O amor eterno será sempre eterno. A vida será sempre marcada por actos passados.

A história fala sobre o Capitão Afonso Brandão que se vê a comandar um exército, na linha da frente da Grande Guerra, quando conhece uma requintada francesa que muda a sua vida e lhe dá uma boa razão para viver, ou sobreviver na guerra. O título do livro leva-nos a perceber que, a certa altura, acontecerá algo. Nunca sabemos bem como ou porquê até chegar à altura. A escrita acessível prende à complexa narrativa histórica repleta de acontecimentos em cadeia, com pormenores de suster a respiração.

28 de março de 2017

Conta-te poesia

Afinal o que é rebeldia
Senão amar loucamente, 
Sentir sem explicação, 
Transbordar de emoção, 
Ser talvez um pouco demente

Ter em si a ousadia
De um amor inalcançável,
Do desejo carnal
Do toque memorável,
De uma memória irreal


Marisa

27 de março de 2017

Conta-te histórias

quem és tu? olho para o teu rosto com estranheza. Conheço-te. Será que conheço? Será que alguma vez conheci? Até que ponto conhecemos os outros? Ficam as minhas dúvidas no ar e a imagem do teu rosto também. Reconheço-te. Estão lá os teus traços. Algumas coisas mudaram. Os anos passam por todos e tu não és excepção. Passou quanto tempo desde a última que te tinha visto? Não vale a pena contar. Os números são relativos, quando o sentimento impera.

Hoje vi-te depois de uma eternidade. Reconheci-te mas não te vi como antes. O teu rosto causou-me um arrepio. Questionei-me quem eras, o que fazias, para onde ias. Não valia a pena ir ter contigo. Não valia a pena perguntar. Irias continuar um estranho que reconheço. Uma miragem do passado, mudado pelo presente. Iríamos dizer trivialidades e seguir caminhos opostos, a saber ainda menos um do outro do que o que sabemos até então.

Olhaste para o relógio e começaste a andar. Virei costas e tentei concentrar o meu pensamento noutro lugar, sem cair na tentação de olhar para trás. Consegui não me virar, mas não saíste do meu pensamento. Multiplicam-se as questões e, no fundo, vão todas parar ao mesmo. O que é de ti? O que são as pessoas? O que cada um representa na vida de cada um? Quem é quando está? O que fica quando parte?

As pessoas são uma construção da nossa mente. Elas existem, são de carne e osso, têm uma personalidade singular, e uma impressão digital. Mas, na forma como a vemos, naquilo que representam para nós, no que nos fazem sentir, são apenas uma construção, ou desconstrução, ilusória daquilo que pensamos e somos. e não do que pensam ou são. 


Marisa 

22 de março de 2017

O humor comanda a vida

E a tecnologia também

Maratonas de séries, quem faz? As minhas raramente duram mais de duas horas. Por outro lado há quem veja temporadas inteiras num dia, ou num fim-de-semana. As séries são uma das obsessões do da segunda década deste nosso século XXI. A televisão por cabo e a internet facilitam o acesso a séries, temos canais só de séries, temos inúmeros sites e aplicações com um sem número de séries (e filmes). É a era do online e este dá-nos acesso a tudo, muito facilmente.

21 de março de 2017

Poesia

Assinala-se hoje o dia mundial da poesia e não podia deixar passar ao lado. A poesia é mais do que um género literário...

20 de março de 2017

Quero salientar que hoje é dia 20 de Março

20. V-I-N-T-E. E, ao que parece, é dia da felicidade. Não é dia da árvore. Esse é só amanhã. Hoje podia ser o dia da indignação, porque isto dos avanços científicos é muito bonito, mas quando me dizem que a Primavera começa no dia 20 o cenário muda. Se, durante a maior parte da minha vida, a Primavera começava a 21 de março, no dia mundial da árvore, porque é que agora tem que ser um dia antes?! Possa pah. Uma pessoa já nem sabe a quantas anda. Deita-se a pensar que falta um dia para a Primavera e quando acorda já o Facebook está a desejar um bom início de estação e lê que o solstícicio aconteceu há 13 minutos. Informação a mais para uma segunda-feira de manhã. Seja como for, e se pensar bem, para mim a estação de renascimento já começou a semana passada.

14 de março de 2017

Dream About

O mundo é dos loucos que se recusam a percebê-lo, não dos insanos que o tentam explicar...

Marisa

12 de março de 2017

Sunday Quote

Hoje não deixo apenas uma citação. Deixo um poema de que gosto muito. Especialmente das três primeiras estrofes.

Triste de quem vive em casa, 
Contente com o seu lar, 
Sem que um sonho, no erguer de asa, 
Faça até mais rubra a brasa 
Da lareira a abandonar! 

10 de março de 2017

Ilusões em prosa

Ele estava de costas para a galeria, enquanto apreciava um quadro enigmático com o olhar de uma mulher rodeado de manchas em tons vermelhos. Pensava nela. Tinha-a visto assim que chegara. Pensava como deveria abordá-la, no que poderia dizer. Tinham amigos em comum, conheciam-se há algum tempo, sabiam algumas coisas um sobre o outro, falavam o básico. Ambos gostavam de arte. Ela mais do que ele. Foi aquela exposição porque ela comentou, numa saída entre amigos, que iria lá estar. A pintura é bonita, mas há uns meses, que ela era a sua arte predilecta. Tão simples e tão complexa. Tão desastrada e tão encantadora. Só a queria ver. Só queria um momento oportuno e a coragem para lhe falar de coração aberto. E ela, será que estaria aberta a ouvir tudo o que ele teria para lhe dizer?

9 de março de 2017

Da vida

Ensinam-nos desde cedo a ser livres, a sermos nós mesmo, sinceros. Depois, à medida que vamos crescendo, deparamos-nos cada vez mais com o politicamente correto. Chegados à vida adulta, há momentos em que praticamente desaparece aquela genuinidade tão importante, que nos fora incutida. Temos que começar a engolir cada vez mais sapos, a sorrir e trocar umas palavras simpáticas com quem não temos nenhuma empatia. É como manda a educação, dizem. Contrapondo com toda a educação que tivemos baseada na sinceridade e genuinidade. Diz sempre a verdade, não sejas falso. Mas depois há sem os o calado vence tudo, sê educado, fala sempre bem para toda a gente. E se a pessoa for um ser desprezável?!

7 de março de 2017

Não me orgulho disto

Estava cansada. Um quê de frustrada. Queria apenas água e alguma coisa em embalagens pequenas para levar para lanches nos intervalos. Decidi ir às compras rapidamente, antes de ir para casa, tomar um banho e enfiar o pijama antes das seis da tarde. Lá fui eu, agarrei numas garrafas de àgua, num pacote de massas e numa caixa de Oreos. Precisa-se de coisas doces para aguentar às aulas. Ou a vida no geral. É mais a última opção, isto porque me lembrei que não tinha nem um chocolate em casa. Fui à parte dos chocolates e parei uns instantes a pensar no que havia de escolher. A escolha de chocolates é algo difícil e complexa, apenas porque não posso trazer todos. Decidi-me por um Milka de Oreo. Sim, Oreo é um dos meus guilty pleasures e não, não me pagam para isso, mas já agora se alguém quiser patrocinar-me com este produto, sinta-se à vontade. Peguei na tabele e pu-la no cesto, pronta para ir pagar. Mas na vida há sempre um mas...

5 de março de 2017

Sunday Quote


Marisa

Dream About

Queres? Precisas? Então vai à luta. Levaste um não. E daí?! Não cruzes os braços. Insiste. Contínua sem dar?! Arranja outras soluções, foca-se noutros projectos. Há sempre algo para fazer. Há um sempre um caminho, uma saída, uma solução. A vida terá sempre "nãos', será sempre incerta. Na corda bamba, faz a luta a tua incerteza.

Marisa

2 de março de 2017

Por isto é que as coisas acontecem

Ha há toda um susto quando, no dia a seguir a fazer compras de mercearia, tenho que fazer compras de produtos de higiene, e material escolar. Levo metade das coisas e, na hora de pagar, a conta é o dobro.

É por estas coisas que há abandono escolar e gente a a cheirar a anõezinhos mortos. Ou não. Isso é mesmo por falta de decência.

Marisa

1 de março de 2017

Chamar-nos-ão loucos... Somos apenas Carnaval

Então acabou. Foi mais um Carnaval mais português de Portugal. Nem todos os percebem. Sim, é verdade que só "nós" é que sabemos, "nós" é que o sentimos. "Nós" torreenses e todos aqueles que não são de cá mas já se renderam ao nosso Carnaval. São os 6 dias mais esperados do ano.

O sexto dia foi hoje, mas eu tive que me despedir ontem. Sinto-me agradecida pelos avanços da tecnologia, que possibilitaram que eu acompanhasse o Enterro do Entrudo em directo, via Facebook.

Continuando no "nós". Nós vibramos, nós cantamos, nós dançamos e saltamos. Seja noite ou seja dia. Nós enchemos ruas e praças. Às vezes é impossibilitado andar, mal se consegue dançar e até falta um pouco um ar no meio de tanta gente. Compreende-se... É o melhor do mundo. E não me venham cá com Brasil ou Veneza, com todo o respeito,  este é nosso e será sempre o nosso melhor. O Carnaval está no sangue  e no espírito. É um pedaço de nós. 

Podemos voltar ao início?! Não. Infelizmente. Temos que esperar para o ano. Faltam quantos dias, mesmo? Já estou com saudades. Que o ano passe rápido só para termos o nosso carnaval de volta. Haverá quem pense que somos doidos. Nada disso. Somos Torres Vedras. Somos Carnaval.



Marisa