11 de setembro de 2016

Do what you dream

Quantas vezes é que falámos nisto no último ano/ano e meio? Foram tantas que nem sei ao certo. Era um objectivo há muito desejado, um sonho há muito sonhado, algo que ficava sempre por fazer, algo que era sempre adiado, algo para o qual nunca tive muito apoio e força de ninguém. Era algo que fui deixando de falar para não ouvir mais "e tu eras lá capaz disso" e coisas do género. Falei disso ao F. Falei-lhe muita coisa sem saber porquê, apenas porque sabia bem falar com ele sobre isto ou aquilo, saber bem e confiar são os únicos motivos necessários para desabafar com alguém. Falei-lhe disto por estes dois motivos e, pensando bem no assunto, talvez lhe tenha falado nisto porque ele tinha ido, ele não acabou, nem chegou a meio, mas foi, e gostou, e era a única pessoa com quem falava mais à vontade que tinha tido essa experiência e que, acima de tudo, eu sabia, tinha a certeza absoluta que ele ia dizer que sim, que eu devia fazê-lo, que me faria bem, que eu ia gostar, que eu ia adaptar-me, que eu ia conseguir.

No fundo, posso considerá-lo uma espécie de impulsionador disto tudo. Alguém que, melhor ou pior, mais longe ou perto, mais ou menos tempo, eu sabia que ia estar lá. Era disso que eu precisava, alguém que eu soubesse que me apoiava, alguém que dissesse "vai", alguém me desse força e não chamasse maluca.

Na verdade, sinto-me um bocado maluca... Maluca por estar a entrar no desconhecido, ou pelo menos a tentar, maluca por não saber se vou ter capacidades várias para levar isto até ao fim, maluca por ir, maluca por querer voar quando gosto tanto do ninho e de quem está nele. Mas antes maluca por isto tudo do que maluca por ficar no mesmo lugar, a bater na mesma tecla, a pensar vezes sem conta no que seria se tivesse tentado. Antes maluca por persistir e tentar, do que maluca por desistir sem me mexer. Maluca com o tempo que passa a correr e não me deixa respirar, ao mesmo que tempo que se arrasta lentamente, parece quase morrer, e me deixa nesta incerteza do futuro. O que será? O que será? O que será?

Apesar de todas as interrogações e incertezas, sinto-me liberta, sinto-me bem comigo mesma e confiante. Acredito! Acredito em algo, acredito que sou capaz, acredito que vai correr tudo bem, acredito em mim. Há tanto tempo que não acreditava tanto em mim.

Acredito em mim, e só agora, há coisa de duas/três semanas, é que começo a acreditar no que fiz. Foi tudo tão rápido. Dediquei muito tempo a isto nos últimos seis meses, chateei algumas pessoas por causa disto, percebi que tinha mais apoio, para além do F. Não são muitos os que sabem, mas são os suficientes, e apoiam-me, e ou melhor ou pior, estão nisto comigo.  Os meus pais apanharam um choque, a maior parte das pessoas apanhou um choque, na verdade. Eu dizia que não o ia fazer já, que estava só a preparar as coisas, e que mais tarde tentava. Eu não estava mesmo a ponderar fazer isto tão cedo. Depois tudo mudou. E foi tudo tão rápido.

O meu mundo desabou e, aí, eu percebi que queria mesmo isto, que o tinha que fazer agora ou nunca. Voltei-me novamente para o F, foi ele que, naquela tarde, me disse "vai" e "ainda tens tempo". Foi a ele que, no meio do meu caos interior, eu voltei a "chatear", porque, inconscientemente, no meio do desespero de quem leva com uma notícia que põe em causa o futuro e os sonhos e não pode fazer nada naquele momento, sabia que ele ia dizer o que eu queria e precisava de ouvir. E assim foi. Ergui a cabeça, acabei o dia de trabalho, vim para casa pesquisar e saber tudo o que tinha que fazer no tão pouco tempo que me restava. Ainda nem sequer tinha certezas de quais eram as minhas opções definitivas. Era sexta-feira e o fim-de-semana passou num ritmo pesadamente lento. Não podia fazer nada ao fim-de-semana, e a ideia de que na segunda estava a trabalhar e na terça não tinha muito tempo e só tinha até quarta para o fazer não ajudaram muito. Na segunda de manhã falei com a chefinha e ela deu-me a tarde para eu tratar de tudo. Foi tudo em tempo recorde. Tive a prova em que ainda há, pelo menos, uma funcionária pública decente neste país, mas só uma que a outra jasus que nem me quero lembrar de tanta atrapalhação e falta de vontade. Ouvi a frase "esse papel significa que os passarinhos estão a ganhar asas para sair do ninho" e fez-me sorrir - afinal há mais uma funcionária pública decente, já são duas, outro recorde para além do tempo. Essa noite foi passada a pesquisar, a fazer comparações pela enésima vez em muito pouco tempo, a decidir-me. Na terça de manhã tinha tudo feito e enviado devidamente. Não a 100%, que, por falta de informação, não pedi algo no dia anterior que me poderia vir a ser útil. Paciência, consegui.

Consegui dar o primeiro, o segundo e terceiro passo, não sei se irei conseguir entrar nesta aventura, mas já não posso fazer mais. Fui mais forte que os meus medos, que as minhas incertezas, que os meus anseios. Fui mais forte e sinto-me mais capaz, mais livre. Agora é esperar e continuar a acreditar.


Este post foi escrito há umas semanas.. Parece que já foi uma eternidade, porque o tempo tem andado muito lentamente, aliás tem-se arrastado... No sábado à noite comecei a ver na Internet que, numa página do site DGES, já dava para ver os resultados das colocações da primeira fase de candidaturas ao ensino superior. Não consegui. Bloqueei tudo. De repente recebo um e-mail da DGES a dizer que fiquei colocada na minha primeira opção. Supostamente os resultados só sairiam hoje. Tive as novidades mais cedo. Tremi. Tremi muito. Mandei mensagem aos meus primos que sabiam. Os primos responderam a dar-me os parabéns, a prima ligou-me imediatamente e estivemos meia hora a falar  Entrei! De hoje a oito dias estou na faculdade, no meu primeiro dia de aulas como estudante universitária. Entretanto tenho muito que fazer, muito que organizar. Tenho uma semana pela frente para mudar a minha vida radicalmente. Consegui! Entrei! Não cabo em mim de felicidade e curiosidade para o que aí vem. Consegui! Consegui mesmo!!!


Marisa

3 comentários:

  1. Muitos parabéns! desejo-te a maior sorte do mundo para esta nova fase da tua vida! se não for indiscrição, entraste para que e onde?:)

    beijinho
    TheNotSoGirlyGirl // Instagram // Facebook

    ResponderEliminar
  2. Parabéns! É muito bom saber destas novidades e o que te trazem de bom. A experiência será, com certeza, muito boa. Tu consegues! :)

    ResponderEliminar