30 de junho de 2016

Um bicho estranho chamado ansiedade


Carpe diem

Gostava de conseguir ter esta máxima. Pensar no futuro é tão cansativo e frustrante. E no passado também. Há dias em que só desejava seguir as velhas máximas dos poetas clássicos e viver o dia como se fosse o último, sem olhar para trás nem tentar prever e controlar o amanhã. Sentir apenas. Viver tranquila dia a dia.



Marisa

2 comentários:

  1. Quando comecei a escrever sobre Ansiedade e Ataques de Pânico no meu blogue não fazia ideia que tanta gente sofria deste mal. Ou melhor, eu sabia que sim, mas não sabia que havia tanta gente que sofria em silêncio e que não procurava ajuda. Tentei desmistificar a doença e continuo a tentar que não seja um tabu - mesmo que para mim também seja difícil de lidar - e por isso compreendo o que dizes. Há dias mais fáceis do que outros mas o peso nos ombros parece que não desaparece, não é?
    As melhoras, Marisa! Força :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma espécie de fantasma que aparece e desaparece sem aviso prévio... Obrigada :)

      Eliminar