29 de novembro de 2015

Primos will be Primos

Está quase a fazer seis anos que somos oito e nunca estivemos os oito todos juntos. A princesa nasceu bem depois dos tempos dos muitos almoços e jantares de família e dos Natais, Páscoas e Passagens de anos em família. Quando a princesa a família estava um bocado para o muito afastada. O seu nascimento veio, como uma bênção, reaproximar a família, mas em oito somos seis com mais de 20 anos e já temos as nossas vidas, para além da família. Há o morar fora da casa dos pais, os namorados(as), a faculdade, os trabalhos, os amigos... muitos factores que são difíceis de consolidar.

Este fim-de-semana a avó fez anos. Por norma só eu e a prima L é que nos lembramos da data. Mas este ano foi diferente. Quando tive de férias com a prima M comentei que a avó estava quase a fazer anos e, como calhava ao Sábado, a M disse que era um bom dia para tentarmos juntar os primos todos. Não conseguimos. Só conseguimos juntarmos-nos sete. O R trabalha ao Sábado e só conseguiu visitar a avó de manhã, enquanto o resto dos primos vieram à tarde. Mas conseguimos mais do que imaginei conseguir. A prima L veio mas isso já é normal ela vir cá a casa aos fins-de-semana, a prima M também vem cá de vez em quando, o quase que primo M (namorado da M) nem sempre consegue vir cá porque nem sempre tem folga ao fim-de-semana, o primo M não teve nenhum exame e conseguiu vir à terrinha e arranjar umas horas para se juntar a nós, a prima J também não foi trabalhar e pôde marcar presença. A nós juntaram-se os nossos pais. Só não veio o tio Z. Mas os filhos da avó estiveram os três, é o que importa.

Foi casa cheia a tarde toda. Houve piadas e conversas boas. Houve fotografias, muitas fotografias de quando éramos pequenos, de quando éramos só seis, e de quando já éramos sete. O que nos divertimos com aquelas pérolas dos anos 90. A Princesa, que faz o que quer de nós, pôs-nos a jogar à rabia (não sei se conhecem o termo... são três pessoas e uma bola, duas a mandar a boa uma para a outra e a terceira pessoa no meio a tentar roubar a bola) no meio da sala, mas a sala é pequena e, fora a Princesa, somos todos grandes, era ver-nos a jogar de joelhos ou sentados e a rir que nem uns perdidos. Houve uma mesa da cozinha aberta e cheia de chávenas e pratos. Houve o tradicional cafézinho da avó e o pão caseiro com manteiga como quando éramos miúdos e nos juntávamos cá em casa depois da escola e aos Domingos depois da Missa. Houve pão-de-ló e velas. Acho que a avó nunca tinha tido velas, ela diz sempre que não gosta de fazer anos e nunca fazemos festas muito grandes... mas 80 não se faz todos os dias. Houve sorrisos. Houve união. Houve família.



Marisa Maria

Sem comentários:

Enviar um comentário