4 de novembro de 2015

Conta-te poesia

Já foste mais do que és
És menos do que já foste
Em palavras devastadas
Não sei o que sou
Tão menos quem és

Nada se sabe
Tudo se pensa
Cada um como cada qual
Nada dura,
Não fica igual

Cada um com sua sentença
Qual é a minha ao certo?
Qual será a tua?
Terei-te algum dia por perto?

Podemos questionar tudo
Nunca teremos respostas de tudo
Sussurro alto
Grito mudo

Escrevo sem saber para quem
Se para mim
Se para ti
Se para ninguém
Ou para um outro alguém



Marisa Maria


Sem comentários:

Enviar um comentário