30 de setembro de 2015

Conta-te poesia

Quero falar
Não sei o que dizer
Quero agir
Não sei o que fazer
Quero viver
Apenas sei existir

Respiro por respirar
Sem caminho
Ando a vaguear

Sinto um aperto no peito
A cada esquina que espreito
A cada avenida, a cada estreito
Onde te procuro sem te encontrar

Numa mente confusa
Numa alma difusa
Entre querer e não querer
Continuas a ser a permanência
Do que quero ter

Estranha esta minha essência
Mais parece demência
Não te poder agarrar
Não te conseguir afastar


Marisa Maria

Sem comentários:

Enviar um comentário